Críticas

Super Mario 3D Land

30.Nov.2011 14:21

It's he, Mario!

Há verdades indiscutíveis. O sol nasce todos os dias, a vida é finita, o Barreirense não será campeão nacional de futebol nos próximos cem anos e cada consola da Nintendo terá obrigatoriamente um Super Mario. Super Mario 3D Land é a versão que traz Mario para a 3DS, num esforço para atrair jogadores a uma consola que se debate ainda com uma lamentável escassez de títulos em geral e de títulos de qualidade em particular.

Se ainda restar alguém no mundo que precise de uma explicação do conteúdo, aqui vai ela: A princesa Peach é raptada (não se percebe porque, após tantos anos e tantos raptos, não investe na contratação de guarda-costas) pelo pérfido Bowser. Como sempre, é Mario o alvo dos seus estridentes gritos de socorro, vendo-se forçado a suspender uma fascinante carreira de canalizador para iniciar uma frenética corrida contra o tempo, saltando de plataforma em plataforma e de inimigo em inimigo e ingerindo cogumelos que o fazem aumentar de tamanho (algo que, de certeza, não fará bem nenhum à saúde).

Garantida a fidelidade ao formato, o que torna Super Mario 3D Land único em relação aos títulos que o antecederam é o facto de ser o primeiro com gráficos visualizáveis em três dimensões (a primeira tentativa da Nintendo de produzir uma consola 3D, o Virtual Boy, teve jogos com Mario como personagem, mas nenhum que integrasse a cronologia oficial). Esta particularidade é, em simultâneo, a única desilusão.

Não que o efeito 3D não seja convincente e não enriqueça a experiência. Nada disso. Mas teria sido muito interessante ver os gráficos tridimensionais desempenharem um papel mais activo na mecânica do jogo, não se limitando ao simples brilharete estético a que só conseguem escapar em alguns níveis. Além destes níveis raros, o 3D é usado em conjunto com o giroscópio para mover os binóculos que permitem observar o que resta do percurso e para mirar canhões que disparam Mario pelos ares. Custa a crer que os programadores ainda não tenham aprendido uma lição que, à partida, se pensaria ser óbvia. O efeito tridimensional do ecrã da 3DS está dependente de um posicionamento muito específico da consola em relação aos olhos do jogador. Qualquer desvio do ângulo provocará imagens duplas. Mas, mesmo assim, insiste-se em forçar movimentos da consola. Não que seja impossível fazê-lo. É apenas extremamente desconfortável. Há ainda a possibilidade de alternar entre um modo 3D normal e «profundo», que parecem ser indistinguíveis.

Indo além destas questões tridimensionais, a verdade é que Super Mario 3D Land tem qualidades mais que suficientes para fazer esquecer aplicações menos criativas das possibilidades únicas da mais recente portátil da Nintendo. Como não podia deixar de ser, é um excelente jogo de plataformas com a conceção de alguns níveis a roçar o brilhantismo. Poderia esperar-se a opção mais fácil por uma versão de Super Mario Galaxy, mas não foi esse o caminho seguido. Ao invés, temos o melhor de dois mundos em combinação perfeita. A clássica jogabilidade bidimensional enriquecida (e muito) por uma variação constante de perspetiva e de profundidade.

Ver página seguinte »

Super Mario 3D Land

Lançamento: 18 de Novembro de 2011

Pontuação GameOver

Geral 92
Gráficos
 92
Som
 94
Jogabilidade
 95
Longevidade
 86

Pontuação Utilizadores

77
57 votos
*A pontuação geral não é a média das restantes.

Relacionados

Vídeos

play

Super Mario 3D Land: Trailer de jogabilidade

30.Nov.2011

Duração: 00:02:47

Sugerimos também

Comentários