Críticas

Murasaki Baby [Crítica]

30.Set.2014 15:31

Saído de um estúdio indie, Murasaki Baby revela-se não só um título muito experimental, como também surreal para a portátil da Sony. Valerá a pena a incursão num universo solitário e aterrorizante?

Quem andou atento às revelações de títulos para as consolas da Sony na já distante E3 de 2013, certamente que ouviu falar num título de seu nome Murasaki Baby. Na altura não causou grande impacto, mas a E3 deste ano encarregou-se de lhe dar o devido destaque, ou não fosse este um jogo que se demarca dos restantes pela sua singularidade.

Murasaki Baby não é um título qualquer. E isso nota-se logo por não nos colocar na pele de nenhum personagem; somos sim uma espécie de “condutor”. Ou seja, somos apresentados a Baby, uma menina que se perdeu da sua mãe num mundo surreal e assustador, e temos o objetivo de transformar esta história solitária num conto com final feliz. Para isso, guiamos a personagem ao longo de um mundo repleto de puzzles e obstáculos para serem ultrapassados, ao mesmo tempo que tomamos atenção ao balão roxo em forma de coração, que nunca pode sair da mão de Baby.

O aspeto particular da obra é que toda a ação de jogo é feita com recurso ao ecrã tátil da PS Vita, isto é, o uso dos controlos tradicionais é inexistente. Ao constatarmos que Murasaki Baby apenas evolui com o uso dos controlos táteis, fica patente a certeza de que este é um título muito experimental, mas que demonstra que a opção pelos controlos táteis foi acertada.

Tal e qual como outro título ao estilo sidescroller, a ação faz-se conduzindo Baby pelos cenários. Seja para a direita ou para a esquerda, a subir ou a descer escadas, só assim é possível prosseguir na jornada. Para isso, há também que ter em conta o pano de fundo (chamemos-lhe realidades alternativas) do jogo. Com um simples deslizar de dedos no painel tátil traseiro da consola, os cenários vão-se alterando, sendo esta uma particularidade chave para ultrapassar determinado obstáculo ou resolver certo puzzle.

Interessante ainda notar que também os sensores de movimento da portátil da Sony foram aproveitados. Contudo, e ainda que surja como novidade, ao fim de algum tempo acaba por ser cansativo estar a repetir o mesmo movimento várias vezes.

 

Ver página seguinte »

Murasaky Baby

Lançamento: 17 de Setembro de 2014

Pontuação GameOver

Geral 75
Gráficos
 80
Som
 82
Jogabilidade
 70
Longevidade
 63

Pontuação Utilizadores

62
2 votos
*A pontuação geral não é a média das restantes.

Relacionados

Vídeos

play

Murasaki Baby - Trailer de revelação

29.Set.2014

Duração: 00:01:35

Sugerimos também

Comentários